Click e Ajude o projeto cinematográfico Luz e Sombra

Translate


Quer ser artista de teatro. Aprenda a deixar seu ego fora da Cia.

Simbolo do Teatro: A Tragédia e a Comédia.
A vida no teatro nunca foi fácil. Pois, como dizia Dulcina de Moraes, teatro é sacerdócio. E ela ia muito mais além, quando falava de seu grande amor. O teatro.

"Eu sou, sempre fui, serei até o último momento uma mulher de teatro. O teatro é minha casa. O meu habitat. O meu oxigênio." Dulcina de Moraes.
Sempre encarei o teatro como um trabalho em equipe. Onde meu ego tem sempre que ficar da porta para fora no momentos dos ensaios. No momento da montagem, no momento da apresentação.

E realmente, quando você monta um espetáculo, você tem que ter em mente que você depende de toda uma equipe para que o trabalho saia no mínimo, bom.
Estar em uma equipe teatral é estar em um conjunto que não funciona se alguma peça estiver desconexa.

Teatro é desvalorizado hoje, porque muitas vezes peças da equipe colocam seu ego acima do bem da obra teatral a ser promovida.

Não se submetem a direção, não aceitam que outros membros da equipe tentem ajudá-los. Não conseguem ver além da imagem.

Quando um colega de Cia te dá uma dica ou te repreende, não é porque ele quer o seu papel ou porque ele tem inveja de você. Ele apenas esta tentando ajudar você a se tornar um ator ou uma atriz melhor. Pode estar querendo ajudar você a potencializar o seu talento.

Se alguém da Cia almeja tirar o seu papel, saiba que esta pessoa não é artista. É apenas um deslumbrado pela possibilidade de fama e que no primeiro problema vai abandonar a carreira.

Quando o diretor resolve mudar atores e atrizes de papel, ele não faz isto porque quer privilegiar este ou aquele. O diretor esta pensando em primeiro plano no melhor para o espetáculo e analisou o perfil adequado para tal papel.


Quando se esta em cena, você se coloca diante de um público, que se dispôs a conhecer o trabalho artístico como um todo.

Quando se desenvolve um espetáculo monólogo, como a Valsa nº 6 de Nelson Rodrigues, onde é somente a personagem Sõnia em cena o tempo inteiro. Tudo bem.

Mas quando você desenvolve um espetáculo que pode ter mais atores e atrizes em cena, você precisa entender que seu trabalho esta diretamente ligado ao trabalho do outro. E se você se fechar em sua concha e deixar o outro cair, isto afetará não somente o trabalho dele, mas o trabalho da equipe inteira, como um efeito dominó.

E o mais triste é quando alguns do grupo começam a disseminar coisas que não acontecem de fato e outros membros do grupo começam a seguir a má semente plantada.

Lembro quando comecei em teatro profissional, o diretor era daqueles de disciplina completamente militar nos ensaios completamente carrasco com os atores.

No final da apresentação, antes dos atores irem embora, ele disse "tomei a posição mais dura, porque vocês precisavam aprender, como um grupo amador, que teatro é disciplina, mas ele não existe se o grupo todo não se unir como um único corpo."

Dali passei a estudar com o diretor Félix Camargo, que presidiu o Sated há muitos anos atrás, ele me ensinou que os componentes de uma Cia Teatral são ligados entre si, todas as vezes que se desenvolve a montagem de um espetáculo. E que não importa se um ator tem anos de carreira e contracena com um iniciante. 

Que o importante é que aconteça a troca de experiência e que cada um ajuda o outro em sua deficiência, pois a carreira artística não é uma corrida de cavalos, não é uma disputa para ver quem brilha mais, a carreira artística se aperfeiçoa no dividir experiência e somar aprendizado.

E foi a mesma coisa, apenas com palavras diferentes, que Rooney Cocégas (Galeão Cumbica da escolinha do Professor Raimundo), que descanse em paz, disse em uma palestra a turma que participei em 1997, depois ouvi isto novamente de Eliete Cigarrini, depois ouvi a mesma coisa de Marco Antônio Braz, diretor de teatro especialista em Nelson Rodrigues, depois ouvi a mesma coisa de Genes Holder, diretor de teatro, ouvi a mesma coisa de Dimas Oliveira Junior, diretor de cinema. Fernanda Montenegro também ensina a mesma coisa. E vai mais além. Se você não aguenta o tranco da carreira artística, então desista!

Você não está no teatro para ser popular. Você esta para se construir como Artista que quer ser ator ou atriz.

"Ser popular não é um talento. E há muitas pessoas e não é só aqui no Brasil, não; fora daqui também, nos Estados Unidos, principalmente, que têm um talento enorme e nunca chegavam a ser populares."  Dulcina de Moraes
Quando você prova sua vida no teatro, a mensagem que você manda ao mundo é: Não quero ser popular, estou aqui para seguir uma carreira".

E saiba que dentro do meio artístico, todos sem exceção enfrentam o fracasso.

"Os fracassos também são necessários. São importantes, talvez tanto quanto os sucessos, pois valorizam os êxitos. Sem os fracassos -e falo de um modo geral na vida- tudo seria monótono, vazio." Dulcina de Moraes.

Cuidado quando você se deixa levar pelo desejo de ser famoso, popular. 

A carreira artística é bonita, mas também é cruel. Chegar a fama, se tornar popular é fácil. Porém o difícil é se manter no topo por muito tempo.

Quantas pessoas você já viu no meio artístico se tornarem super populares por um tempo e depois desaparecerem tão rápido como uma estrela cadente.


Perceba que as pessoas que se mantém no topo por muito tempo, são aquelas que sabem que fama e reconhecimento nunca serão maiores que sua dedicação, comprometimento e respeito ao outro que trabalha ao seu lado.

Veja o que Meryl Streep, Fernanda Montenegro, Antônio Fagundes, Keanu Reeves, Elisabeth Taylor, Madonna, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Rolling Stones e outros artistas que estão há décadas no topo do estrelato tem em comum...

Todos sabem que se deixarem o ego subir a cabeça e começar a agir como se fossem melhores que todo mundo, cairiam muito rápido.

A fama deslumbra com sua beleza, brilho e glamour, mas se você não sabe lidar com ela, você se envenena e desaparece muito rápido.

Todos que trabalham com arte têm sempre que lembrar, que nenhum de nós é maior que Arte. E que nenhum de nós sobrevive se nos colocarmos como o centro de tudo e humilhando e desprezando os outros.

A arte é sempre mais importante. E a humildade é que fara com que você permaneça. Porque ela faz você entender que você precisa do outro, tanto quanto o outro também precisa de você.

Imagens: Google Imagens

0 comentários:

Conheça

 

Programa Radar Paulista 18h

Visitantes do mundo

Rádio Vale do Acaí

Parceiro