Conheça

Translate


A confusão da vida contemporanea

A inocência esta se perdendo.
A vida tem se tornado cada vez menos interessante. Como disse o Capitão Jack Sparrow, no filme Piratas do Caribe: No Final do Mundo "O mundo é o mesmo, há menos razões para se viver".

Tenho sérias dúvidas de para onde estamos caminhando. Tenho sérias dúvidas para onde esta caminho tão escuro esta levando a humanidade.

Eu entendo a luta de muitas minorias. Entendo a dor do preconceito e a dor da perseguição. Mas tenho visto muitos se aproveitarem de bandeiras para  criar o caos e a segregação.

Muitas pessoas se infiltram para tumultuar a luta que se desenrola por muito tempo e que custou muitas vidas.

E com muita força vemos todo tipo de preconceito e todo tipo de discriminação surgir e ressurgir na sociedade contemporânea.

Eu venho de uma geração que sonhou tanto com o século 21. Venho de uma geração que acreditou que no século 21 não existiriam mais disputas infundadas e não haveria o preconceito, nem discriminação. Que o avanço tecnológico conseguiria finalmente trazer a integração que o século 20 não conseguiu...

Uma geração inteira que acreditou que tudo finalmente encontraria seu caminho e a paz chegaria para todos.

Mas foi um ledo engano. Uma vez que o século 21 chegou, porém a intolerância tomou proporções catastróficas para todos os lados.

A violência se tornou cada vez mais comum. E começamos a nos acostumar com ela e nem mais nos sensibilizar com os efeitos da violência.

Onde muitas causas deixaram de ser vistas como causas a serem defendidas e se tornaram modinhas passageiras.

Onde a tecnologia e a vida virtual esta quase afogando a vida real. Onde as pessoas estão cada vez mais desaprendendo como se relacionar umas com as outras.

Onde o Amor se tornou um mero aplicativo de celular e vestiu as roupas do sexo fast food. E os relacionamentos começaram a se tornar como macarrão instantâneo gourmet. Tem que ser lindos e cheios de fotos, mas duram não mais que três minutos.

Aprendemos a criar muros contra todos que se aproximam, pelo fato de não sabermos mais como nos relacionarmos com as pessoas.

Tudo ficou frio e virtual. Como uma grande galeria de imagens que a gente toca na imagem que quer, usa por um tempo. E depois deleta.

Eu fico me questionando quando foi que a vida perdeu o sentido. E quando as relações humanas se tornaram tão  vazias e desinteressantes.

As pessoas tem medo de quem é real. Pois não sabem mais lidar com a frustração e com a convivência humana. 

E com o passar do tempo tudo começou a se tornar frenético demais, tem que acontecer na velocidade da luz, tudo vai pulando fases. O aprendizado tem que ser no ritmo de um download com na saga de Matrix.

Criou se uma fome exagerada de um conhecimento que nem todos estão prontos para adquirir. E o mais trágico disto tudo, apagou se nas pessoas que tudo tem sem tempo para acontecer... Começou a se acelerar tudo.

O mundo vive com uma pressa imensamente exagerada e sem sentido. Criou se uma geração do imediatismo e do descarte indiscriminado.

E o mais doloroso as feridas estão sendo expostas sem qualquer tipo de responsabilidade e piedade. Forçando as pessoas a fazer muitas coisas que não querem fazer, pois elas mesma ainda não entendem exatamente o que querem e o que precisam fazer.

A canção da morte que se espalha sequestra o direito a escolha das pessoas.

Pois numa busca para alcançar direitos, passamos por cima de outras pessoas que vivem a mesma situação.

Como o caso de Dudu Camargo, onde ele não quer se posicionar sobre sua identidade sexual. E isto é um direito dele.

Porém ele foi exposto de maneira tão humilhante em rede nacional, ele foi tão vítima como Maísa. Mas o mais doloroso o jovem começou a tomar posicionamentos que o ridicularizaram mais, devido a agressão a sua dignidade da pessoa humana.

Ninguém levantou a voz para dizer. Cada um tem o direito de revelar ou não revelar algo sore si mesmo. E quando revela em particular à alguém... E para ficar entre aquelas pessoas. Outros casos que chocaram o mundo. Muitas adolescentes tirando a própria vida por medo de ter suas fotos intimas vazadas para todo mundo.

Mas levanta a voz para dizer que o seu direito não pode sufocar o direito do outro e se resulta a morte. Então o seu direito não é um direito.

Vivemos o tempo onde o preconceito pela cor da pele, pela etnia, pela condição social tem se revelado com mais força e mostrando que o século 21 tem se vestido de a Era das Trevas novamente.

Muitas vozes confundem nossos pensamentos
Vivemos uma Era tenebrosa, onde se tornou algo corriqueiro tirar a esperança dos outros. Onde vemos nossos semelhantes morrerem bem à nossa frente, mas a única coisa que fazemos é sacar o objeto eletronico para gravar um vídeo para deixá-lo online.

Estamos nos desconectando de nós mesmos. Estamos cada vez mais nos tornando máquinas, que estão sempre no piloto automático.

Estamos caminhando sem qualquer direção. Pois se não existe nada além disto aqui. Para que buscar a vida eterna com a ajuda da tecnologia. Não faz sentido.

Não sabemos mais nos comportar junto a outras pessoas, não sabemos como nos sentir... 

Queremos que o imediatismo nos responda questões muito mais profundas. 

Estas questões mais profundas pedem muito relacionamento, muito aprendizado e muito tempo.

E vivemos numa pressa imensa. Mas quando somos questionados sobre o motivo de tanta pressa, a resposta quase sempre é a mesma  "eu não sei o motivo de tanta pressa, mas eu tenho que seguir a multidão".

Ao invés de evoluirmos junto com toda a ciência e tecnologia. Nós temos regredido muito.

Pois estamos supervalorizando demais coisas superficiais e destruindo as coisas mais profundas e significativas.

Numa corrida, que não sabemos o motivo, deixamos de apreciar todos os presentes que a vida nos envia constantemente.


Corremos tanto querendo cruzar a linha de chegada antes que qualquer pessoas. Que esquecemos de apreciar a jornada. E esquecemos que na caminhada precisamos de, pelo menos, um amigo sincero e leal que caminhe ao nosso lado.

Para quando sofrermos alguma queda na caminhada, tenhamos alguém que nos estenda a mão no momento de dor e tristeza. 

Mas infelizmente, nos perdemos na ilusão do imediatismos e colocamos rótulos de utilidade com prazo de validade nas pessoas. E quando elas não nos servem mais, elas são simplesmente descartadas e deletadas.

E o que eu acho engraçado é que algumas pessoas acreditam que pessoas que selecionam com rigor suas amizades e relacionamentos, são pessoas que acabam sozinhas. Este é um engano grave que se comete.

Precisamos aprender a observar e manter em nossa vida tudo aquilo que acrescenta e agrega valor. Não adianta ter milhões de pessoas ao seu redor, mas nenhuma delas realmente é sua amiga ou se preocupa realmente com você.

Na realidade acaba sozinho quem não observa e se leva pela ilusão e escolhe qualquer coisa para não se sentir sozinho. Pois eu conheço muitas pessoas que estão cercadas de pessoas mas se sentem sozinhas o tempo inteiro. Pois não tem ninguém em quem realmente possam confiar.

Não se deixe levar para voz do mundo que te apresenta a ilusão para te confundir. Aprenda a observar com cautela e valorizar quem realmente se preocupa com você.

Espero um 2018 feliz para todos.

Com carinho.

Dryca.

0 comentários:

Ajude a Somália. Clique Aqui

 

Programa Radar Paulista 18h

Visitantes do mundo

Rádio Vale do Acaí